Imprensa Oficial de Alagoas - CEPAL

Breno Accioly, por Cacá Diegues

Em artigo publicado no Jornal Extra, cineasta resgata obra do contista alagoano e destaca coleção da Imprensa Oficial Graciliano Ramos

Myllena Diniz
...
Crédito: Reprodução

Na última edição do Jornal Extra, de 25 de setembro a 01 de outubro, a Coluna Radar Literário traz artigo do cineasta Cacá Diegues, que, além da relevância para o cinema nacional, ocupa a cadeira 7 da Academia Brasileira de Letras. O texto é todo dedicado à obra do escritor alagoano Breno Accioly, que, neste ano, terá o centenário do seu nascimento celebrado com a coleção O Gênio Indomável, pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos.

Ao abordar as narrativas sombrias de Breno Accioly no contexto solar da literatura brasileira, Diegues faz, também, uma retrospectiva de outros escritores nacionais. “A tradição da ficção brasileira, popular ou erudita, sempre foi solar. Tivemos alguns excelentes poetas sombrios, como os simbolistas Augusto dos Anjos e Cruz e Souza, mas eles serviram apenas para confirmar a regra, como sempre acontece. No Nordeste, então, o horizonte dos sonhos brasileiros, da nossa fantasia como país, sempre foi iluminado”, destacou.

Para o cineasta, embora admitamos a fome, a miséria e as mazelas sociais, mas sempre como um estágio para o Brasil ao qual queremos chegar. Por isso, considera que, simples ou sofisticada, a ficção brasileira, mesmo com ideias sombrias, sempre está comprometida com “o sol que há de brilhar, nas palmeiras onde canta o sabiá”, pontuou.

Segundo Cacá Diegues, é esse contexto da literatura nacional que torna Breno Accioly, natural de Santana do Ipanema (AL), uma exceção à regra. O cineasta jogou luz aos conflitos psicológicos do santanense, diagnosticado com esquizofrenia na adolescência. “A esquizofrenia era a causa de sua permanente depressão, sua dificuldade em viver em sociedade, de viver com os outros uma vida que não durou muito”, relatou, ao lembrar o falecimento precoce, uma semana antes de celebrar 45 anos, no Rio de Janeiro.

A contextualização da vida de Breno Accioly é complementada por uma análise sensível de sua obra, que também inclui uma citação de Mário de Andrade sobre o escritor alagoano: “De um nada, Breno Accioly fazia um conto e acendia numa vela a chama da angústia humana”, chegou a dizer o autor modernista, conforme as buscas de Cacá Diegues. Mas, para o cineasta, a interpretação é outra: “Não acho que o interesse de Breno Accioly fosse propriamente pela angústia humana, que era seu tema permanente. Na verdade, o escritor se interessava mesmo era em utilizar a aparente angústia de seus personagens (muitas vezes verdadeira) para revelar o que havia de mais humano nas reações perversas de seus leitores, em muitos casos representados por outros personagens, nem sempre ligados à trama corrente”, avaliou.

Diegues ainda vai além, ao afirmar que para contar suas histórias, Breno construiu personagens para que os julgássemos e para que fôssemos julgados pelo modo que eles agem. “Breno Accioly está sempre voltado para o que fazem e pensam seus personagens, mas usa as palavras como um construtor usa tijolos para se exprimir. E elas valem e servem para alguma coisa a mais”, enfatizou.

Por fim, o cineasta completa: “Em vez de criticar o comportamento final dos principais personagens, a obra de Breno Accioly nos ensina a amarmos a nós mesmos, mas no outro. Como se a imagem do outro fosse desenhada por nós mesmos. No fundo, estamos buscando o que somos”.

Coleção 100 Anos Breno Accioly – O gênio Indomável

Para celebrar o centenário de nascimento de Breno Accioly, a Imprensa Oficial Graciliano Ramos lança sua obra completa em parceria com a Prefeitura de Santana do Ipanema e da Editora da Universidade Estadual de Alagoas (Eduneal). Em breve, o público leitor poderá ter acesso a novas e caprichadas edições dos clássicos João Urso, Cogumelos, Maria Pudim, Cata-Ventos e Dunas, que há décadas se encontravam fora do catálogo das grandes editoras nacionais, além de edições de dois livros que permaneceram inéditos desde a morte prematura do autor, em 1966: Isabela (contos) e Pedras (romance).

O projeto intitulado 100 Anos Breno Accioly – O Gênio Indomável é a iniciativa mais ambiciosa da Imprensa Graciliano Ramos em 2021, porque, além da publicação de todos os livros do escritor santanense, há uma série de ações comemorativas previstas que visam promover o resgate da memória de Breno Accioly, um dos maiores contistas brasileiros do século 20, segundo os críticos literários.

Para saber mais sobre o projeto, clique aqui.