Loja Virtual Loja Virtual

Frete grátis para Maceió/AL | Entregamos em todo o Brasil
[Nº 13 - O quebra de Xangô: 100 anos depois ]

Nº 13 - O quebra de Xangô: 100 anos depois

A revista Graciliano n° 13 investiga os fatos que marcaram o Quebra de 1912, episódio marcante da historiografia alagoano.

Código: 0046

Estoque: esgotado!

Marca: Imprensa Oficial Graciliano Ramos

Categoria(s): Revistas Graciliano

Autor(es): ...

Gênero(s): ...

Idioma(s): ...

Parceiro(s): ...

☆☆☆☆☆ - 00 avaliações

Avise-me quando chegar!

Cadastre-se para receber uma notificação quando este produto estiver disponível?

Descrição completa do produto: Nº 13 - O quebra de Xangô: 100 anos depois

A revista Graciliano n° 13 investiga os fatos que marcaram o Quebra de 1912, episódio marcante da historiografia alagoano, que consistiu no ataque de uma liga civil a terreiros de camdomblé no estado. A publicação traz uma entrevista com o antropólogo, professor e pesquisador Ulisses Neves, autor de uma tese de doutorado sobre o episódio. Uma reportagem especial da jornalista Vitória Alcântara lança nova luz sobre o Quebra, investigando as verdadeiras razões do evento ocorrido em 1912 e que envolve o ex-governador Euclides Malta e seus opositores. Além do tema principal, a revista aborda também outros aspectos da cultura negra em Alagoas como a religião, a música e a culinária. Ilustrações de orixás e entidades do designer Weber Bagetti acompanham matéria sobre as duas principais religiões afro-brasileiras em Alagoas: candomblé e umbanda. A fotógrafa Larissa Fontes assina o ensaio visual com imagens dos cultos e festas nos terreiros. Além disso, o culto islâmico de negros em Penedo – conhecidos como malês – é tema de reportagem do jornalista Rafhael Barbosa. A revista traz ainda reportagem de Acássia Deliê sobre uma pesquisa de mapeamento dos terreiros em Maceió e matéria que trata da importância das ervas para os cultos afro Na seção Documenta, a edição traz reproduções de matérias do Jornal de Alagoas, publicadas em 1912, que demonstram como a intolerância religiosa e o preconceito racial eram disseminados através da imprensa. A Graciliano traz ainda reportagem sobre a Coleção Perseverança, do museu do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas (IHGAL), e dois artigos: o primeiro, assinado por Caroline Gusmão, aborda a obra do artista alagoano José Zumba. O outro, do antropólogo Raul Lody, explica a influência da culinária africana no Brasil e sua relação com as religiões.

 

Capa: Fotografia de escultura ritual Ogum, integrante da Coleção Perseverança 

Comentários 0

Confira as opniões e avaliações dos clientes sobre: Nº 13 - O quebra de Xangô: 100 anos depois .

Ainda não há comentários para este título. Seja o primeiro a comentar!

Deixe o seu!

O que você achou deste título?

Produtos mais vistos

Silvana a Baleia Beluga

Silvana a Baleia Beluga

Silvana é sobre superação de medos e até limitações físicas na busca pela felicidade e realização de sonhos.

Madá e o jegue cantador

Madá e o jegue cantador

A obra traz a história da pequena Madá, uma criança curiosa, inteligente e traquina que vivia perguntando o porquê de tudo.

Ninho de Cobras

Ninho de Cobras

Um dos maiores clássicos do romance em língua portuguesa ganhou nova edição.

A menina de barro

A menina de barro

O livro conta a história de uma família que morava às margens do rio Mundaú, no interior de Alagoas, e vivia a partir da criação de objetos feitos de barro colhido na beira do rio.

Marília de Dirceu

Marília de Dirceu

Obra considerada a mais importante do poeta português e publicada em 1792, em Lisboa, refere-se ao amor do autor pela brasileira Maria Dorotéa. Os poemas são bucólicos e marcados pelo retorno à limpeza de linguagem e à simplicidade dos ideais.

Estrela Raivosa

Estrela Raivosa

Livro em homenagem ao Hino de Alagoas, narra a busca pelo autoconhecimento empreendida por sua personagem principal, a Estrela Raivosa, que cruza galáxias querendo encontrar sua verdadeira vocação.

A Fábrica de Bonecos de Olinda e Outras Histórias

A Fábrica de Bonecos de Olinda e Outras Histórias

Humor arriscado a partir de uma fina ironia é o que compõe estes contos tortos a partir dos quais nasce o livro como um só.